News

Ic back

11May

O que mudou, o que ficou melhor e o que levamos daqui: lições aprendidas durante a pandemia

CEO da Radix US, Flávio Guimarães, compartilha como a empresa vem se adaptando a este novo cenário

Entrevista flavio guimaraes pandemia %281%29

O mundo mudou para sempre pela pandemia global do Covid-19, e os negócios da Radix também. A empresa teve que se adaptar a novos desafios, melhorar processos de trabalho e, o mais importante, ficar ainda mais atenta à qualidade de vida das pessoas.  

O CEO da Radix US, Flávio Guimarães, respondeu algumas perguntas sobre as lições aprendidas ao resistir à pandemia. Confira:

Quais foram os benefícios inesperados de trabalhar 100% remotamente?  

Flávio Guimarães - Antes mesmo de fecharmos oficialmente o escritório no início de 2020, já tínhamos pedido às pessoas que trabalhassem em casa, principalmente as mais vulneráveis. Fechamos oficialmente o escritório nos Estados Unidos em 16 de março de 2020 e desde então trabalhamos 100% remotamente - nenhuma viagem ou contato físico para ninguém. Investimos em tecnologia e equipamentos para garantir que cada funcionário pudesse realizar seu trabalho remotamente.  

Durante a pandemia, encontramos oportunidades para nos aprimorarmos como pessoas e profissionais. Por exemplo, mesmo que estivéssemos separados, a equipe ficou mais próxima uma da outra. As pessoas agendaram mais reuniões individuais para manter a comunicação entre as equipes. Apesar de isolados, vimos o esforço de todos para estarem mais presentes, mesmo que virtualmente.  

Achamos a transição para um ambiente de trabalho remoto surpreendentemente suave de forma geral. Estávamos acostumados a interagir com companheiros de equipe no Brasil e clientes em todos os lugares dos Estados Unidos. As conferências on-line já estavam ocorrendo, mas não com a intensidade e frequência impostas pelo Covid-19. 

Quais foram alguns desafios do trabalho remoto? 

Flávio Guimarães - Tivemos que investir em cibersegurança e estabelecer protocolos para apoiar a equipe que trabalhava em casa. Nossa equipe de TI teve que trabalhar muito para garantir que todos tivessem acesso às informações da empresa de forma segura. Expandimos nossa equipe de TI e atualizamos softwares e VPNs, além de realizarmos treinamentos remotos de segurança cibernética. 

Como a paralisação impactou as operações de negócios? 

Flávio Guimarães - Podemos ver os principais impactos em quatro aspectos: negócios, custos, recrutamento e marketing. 

Para a expansão dos negócios, trabalhamos muito para fazer nosso negócio crescer durante este período e manter a equipe informada. Do lado positivo, a situação de pandemia levou os clientes a apostarem mais nas operações digitais. Os clientes estavam mais dispostos a se tornarem digitais, e a maioria deles precisava de orientação sobre as melhores práticas e como aproveitar as tecnologias atuais para fornecer o melhor suporte digital para a organização. Essa foi uma grande oportunidade para nós. 

Algumas indústrias e clientes prosperaram como resultado da pandemia. Vimos um aumento na demanda por produtos químicos, especialmente polímeros e plásticos devido à demanda por embalagens. Em outros mercados, a demanda por nossos serviços foi suspensa. Felizmente, alguns desses mercados, como petróleo e gás, estão voltando. Estamos vendo grandes clientes assinando contratos que foram congelados em 2020. 

O desenvolvimento de negócios foi o que mais sofreu durante a pandemia. Tivemos alguns novos clientes, mas poderíamos ter recebido mais. Estávamos perdendo a interação com novos clientes por meio de conferências e exposições. Em nossa experiência, nenhuma conferência virtual atingiu o nível de engajamento de clientes como as reuniões presenciais. Tivemos que repensar como alcançar novos clientes e fazer negócios remotamente. Foi um ano difícil, mas o negócio vai triunfar. À medida que as vacinas se tornam amplamente disponíveis e as restrições diminuem, nosso negócio terá boas oportunidades. 

Operacionalmente fizemos um ótimo trabalho entregando projetos, mantendo contato com os clientes existentes e mantendo operações remotas (especialmente com nossa equipe brasileira). Também tivemos a sorte de ter relacionamentos sólidos com parceiros, principalmente com a OSIsoft, que nos trouxe novas oportunidades. 

Além disso, encontramos maneiras de reduzir custos. Antes da pandemia, estávamos prestes a nos mudar para um escritório três vezes maior. Felizmente, não fizemos a mudança, e nosso escritório existente será mais do que adequado quando mudarmos para o modelo híbrido. As pessoas usarão o escritório principalmente para reuniões e precisarão de menos recursos do escritório. 

Tivemos custos operacionais reduzidos, mesmo quando expandimos nossa equipe com novas contratações.  

Em relação à retenção e recrutamento, fizemos um grande esforço para manter toda a equipe. Todo o nosso processo de contratação foi alterado para on-line, e estamos integrando as pessoas de uma forma diferente. Manteremos o modelo híbrido mesmo quando pudermos nos encontrar pessoalmente. A pandemia provou que o trabalho remoto pode ser bem-sucedido e abriu novas oportunidades de recrutamento de pessoal e talentos. 

Por fim, encontramos maneiras de continuar interagindo com os clientes. Nossas transmissões do Radix Talk+, por exemplo, foram uma nova forma de envolver clientes e stakeholders, discutindo desafios e tecnologias. Para 2021, esperamos retornar a alguns compromissos pessoais, mas também estamos considerando webinars com instituições importantes, como TAPPI, AIChE e ARC Advisory. 

Quais ações a Radix tomou para cuidar da saúde mental e do bem-estar dos colaboradores? 

Flávio Guimarães - Estabelecemos reuniões semanais em que a equipe conduz notícias compartilhadas sobre clientes e projetos, além de apresentações de projetos para atualizar todos.  

Além disso, criamos oportunidades para socializar depois do expediente, como uma noite de jogos uma vez por mês. Fizemos uma pesquisa para os funcionários compartilharem como estavam se sentindo e se estavam bem com sua saúde física e mental. Pudemos avaliar e ler todas as respostas com a equipe. Além disso, saberíamos das dificuldades e avaliaríamos como eles se sentiam em relação à estrutura em casa, se estavam recebendo o suporte da TI e de seus gerentes, etc. Também recebemos ótimas sugestões, como voltar a ter nossa ginástica laboral matinal. 

Fornecemos suporte financeiro e técnico a todos (incluindo estagiários) para garantir que tivessem um ambiente de trabalho adequado em casa. 

E nossas preocupações permanecem. Pedimos às pessoas que não se exponham a situações de risco, mesmo com o aumento da vacinação. O mundo está mudando para relacionamentos remotos.  

Como a pandemia impactou no gerenciamento de pessoas e na produtividade? 

Flávio Guimarães - Não gerenciamos pessoas olhando para as planilhas de ponto. Elas são importantes para monitorar o progresso e a eficiência dos projetos, mas somos muito orientados para os resultados finais. Desde a fundação da empresa, a relação entre os companheiros de equipe é baseada na confiança. Mesmo na pandemia, a forma como gerenciamos a equipe não mudou muito. Nunca sentimos a necessidade de ter alguém olhando por cima do seu ombro. Todos são suficientemente responsáveis.  

Durante a pandemia, os relacionamentos melhoraram. A confiança e a comunicação foram reforçadas. O modelo de negócios remoto já acontecia na Radix e a transição para não foi tão difícil para nós. 

Qual é o “humor” da Radix conforme emergimos da pandemia? 

Flávio Guimarães - Estou extremamente otimista com nosso pessoal e negócios. Muitos dos nossos colaboradores nos Estados Unidos estão localizados no Texas, que tem mais de 25% da população adulta vacinada e abriu a disponibilidade da vacina para todas as pessoas com mais de 16 anos desde 30 de março. 

Iniciamos o ano com diversos programas de treinamento, que ficaram mais fáceis de implantar virtualmente. Vemos um imenso potencial de crescimento em 2021, já tendo contratado novos integrantes. Todos estão bem preparados e entusiasmados para enfrentar os desafios que vêm por ai. 

No entanto, a pandemia ainda é grave no mundo todo. Continuaremos tomando as medidas necessárias para nos mantermos seguros e buscarmos um ambiente mais seguro para todos ao longo do ano. 

Como será o escritório pós-pandemia na Radix? 

Flávio Guimarães - Antes da pandemia, eu ia ao escritório todos os dias. No futuro, adotaremos um modelo híbrido de trabalho em casa/escritório, em que as pessoas usarão o escritório para reuniões presenciais, mas vão trabalhar em casa na maior parte do tempo. 

Depois que nosso pessoal experimentou trabalhar remotamente, descobrimos que as operações de negócios não foram impactadas negativamente, então as pessoas querem manter esse modelo. Espero que nos vejamos pessoalmente em breve, mas não com tanta frequência. Muito trabalho pode ser feito em casa. 

 

Perspectiva da equipe: Dois colaboradores da Radix, Justin Conroy e Leo Vitor Learth, também avaliam como a pandemia afetou o gerenciamento de pessoas e a produtividade:  

Justin Conroy, gerente geral da Radix - É um pouco engraçado que, para a Radix, a mudança para o trabalho remoto melhorou nossas comunicações e relacionamentos internos e externos. Acho que há dois fatores principais que fizeram isso acontecer: 

Primeiro, antes da pandemia, tendíamos a esperar por reuniões pessoais para discutir coisas, até mesmo os tópicos mais simples! Mas todos fomos forçados a nos sentirmos mais à vontade com telefonemas e reuniões on-line e a tomarmos mais decisões. Em segundo lugar, finalmente a maioria das pessoas passou a usar suas webcams. Com o clique de um único botão, você aumenta suas chances de comunicação bem-sucedida em dez vezes! Como resultado, a construção de relacionamentos está melhor. Pela primeira vez em minha carreira, pude ver os cônjuges das pessoas, seus filhos e seus cães regularmente. Isso realmente humaniza todos muito além da personalidade normal de 'trabalho' que a gente vê todos os dias e faz com que todos abordem assuntos de forma mais orgânica.  

 

Leo Vitor Learth Moreira, gerente de Upstream da Radix - Para mim, entendemos muito rápido que havia algumas cerimônias de comunicação ocultas na vida diária do escritório que precisávamos incorporar sistematicamente em nossas agendas. A produtividade aumentou drasticamente depois que essas práticas de comunicação foram adotadas, mas ainda há um desafio que estávamos observando em relação a como um novo membro da equipe aprende e ganha experiências com o grupo. Sentimos que essa parte específica poderia ser acelerada, especialmente em um ambiente altamente colaborativo como o nosso, e já estamos trabalhando nisso.