News

Aplicativo ajuda pessoas com transtornos de ansiedade

Criadora do app, desenvolvedora da Radix comemora o marco de quase 50 mil downloads em todo o mundo do Be Okay

Be okay site

Mais uma vez a tecnologia comprova seu potencial na promoção do bem-estar público. O aplicativo Be Okay, criado pela desenvolvedora da Radix, Helena Leitão, dá suporte às pessoas que sofrem de transtornos de ansiedade, como a Síndrome do Pânico (doença que atinge quase 10% da população brasileira, segundo a Organização Mundial de Saúde). Por ser acessível e inovadora, a plataforma já conta com quase 50 mil downloads em todo mundo. Além de português, o aplicativo está disponível em inglês, francês, espanhol, alemão e italiano.

Recentemente, Helena fez uma apresentação aos colegas da própria empresa sobre o aplicativo. A palestra teve como objetivo promover a campanha Setembro Amarelo, que reforça a atenção a sinais de depressão e pânico e a prevenção do suicídio.

E como funciona o app?

O aplicativo funciona como um aliado de bolso, que cabe na palma da mão e de uso bem simples. Durante o período de crise, é possível ao usuário consultar exercício de respiração, ver imagens que tranquilizam – que podem ser selecionadas previamente por ele mesmo – e acionar uma discagem rápida para pedir ajuda, entre outros recursos.

Além do socorro imediato, é possível fazer um histórico dos episódios, preenchendo um formulário com hora, duração, local e sintomas. O acompanhamento é útil para identificar, junto ao médico, quais são os possíveis gatilhos que deflagram a crise, determinar a periodicidade e a intensidade com que acontecem.

- É muito importante frisar que o aplicativo não se propõe a ser um substituto do médico. Muito pelo contrário. Ele é uma ferramenta que pode ser usada em prol do tratamento junto a um profissional - alerta a criadora do aplicativo.

O projeto foi desenvolvido ainda quando Helena era estudante da PUC-Rio, em parceria com duas colegas, a engenheira Ana Luiza Ferrer e a designer Gabriella Lopes. Lançado em fevereiro de 2017, num primeiro momento o aplicativo era acessível apenas para iOS. Atingiu rapidamente 46 mil downloads, divididos em 60 países. A versão para Android, ainda disponível apenas em português, só ficou pronta em agosto de 2018 e vem repercutindo em países como EUA, Reino Unido, Alemanha, Portugal e China.

- É muito gratificante ver que impactamos positivamente na vida de tantas pessoas no mundo inteiro. Já tive oportunidade de ouvir vários casos de amigos próximos, colegas e até mesmo desconhecidos que escrevem reviews na App Store e nas nossas redes sociais, compartilhando histórias e dores. Fico muito feliz de ver o bem que o Be Okay tem feito às pessoas - conta Helena.

Ela assegura que dará prosseguimento à evolução do Be Okay, já que a Radix estuda dar apoio à plataforma:

- A última atualização foi lançada há pouco mais de um mês, e já temos planos para o futuro.

Desenvolvedora mobile da Radix, Helena Leitão, com o app "Be Okay"